O Top 25 Mais Precoce do College Basketball

Como descrevemos no título desta matéria, ainda é muito cedo para fazermos análises mais precisas das equipes, mas após termos a definição dos atletas que estão deixando suas universidades para irem para a NBA e com base no recrutamento para a próxima temporada além de as aquisições de novos jogadores via transferência, conseguimos ter uma boa ideia de como será o ranking oficial que só deve sair em Novembro. Logicamente que muita coisa ainda pode mudar e muitas transferências podem acontecer até o mês de Novembro, que é quando a temporada começa.

Para essa tarefa tão árdua de apontar as 25 universidades ranqueadas nesta pós temporada, Italo Vieira, Leonardo Sasso e Rodrigo Lazarini, se tornaram votantes por um dia e decidiram que Michigan State estaria no topo do nosso primeiro ranking no Live College nesta pós temporada.

Confira abaixo a posição das outras 24 universidades e uma breve analise de cada time:

25- Seton Hall Pirates

Angel Delgado (15,2 PPG, 13,1 RPG) foi um dos destaques de Seton Hall na temporada passada com um desempenho fantástico que colocou Seton Hall em outro nível dentro da Conferencia e também no torneio da NCAA. Sua decisão de retornar a universidade coloca novamente a universidade no centro das atenções e transforma a universidade em uma das favoritas pra vencer a Big East.

Juntamente com Khadeen Carrington (17 ppg), Desi Rodriguez (15,7 ppg) e Myles Powell (10,7 ppg) que retornam para mais um ano na universidade, essa equipe será uma maquina para pontuar dentro e fora do garrafão. Vale destacar também o recrutamento de Seton Hall, que conseguiu trazer Myles Cale, um ala bem classificado em muitos rankings de recrutamento e que pode causar um impacto quase que imediato nesta equipe.

24- West Virginia Mountaineers

A máquina de forçar turnovers no college basketball continua forte para a próxima temporada. A volta de Jevon Carter, um dos lideres da nação em roubos de bola, coloca os Mountaineers como uma das equipes mais difíceis de serem batidas na Big-12.

Esa Ahmad e Daxter Miles Jr, que eram peças importantes nesta equipe, também estão de volta e serão fundamentais para o bom desempenho da equipe que perde o bom pivô Nathan Adrian e Tarik Phillip, um dos bons defensores da equipe. West Virginia fez um recrutamento mediano, mas vale destacar a chegada de Derek Culver, um ala pivô que pode suprir a necessidade de altura no garrafão desta equipe.

23- Missouri Tigers

A pior universidade da SEC na temporada passada aparece no nosso ranking como a numero 23 apenas por causa de uma pessoa, Cuonzo Martin. O treinador que deixou a universidade da Califórnia no final da temporada passada, chegou ao Missouri trazendo consigo Michael Porter Jr, recruta numero um da nação e candidato a primeira escolha do Draft de 2018. Além de Michael, seu irmão mais novo, Jontay Porter, também se comprometeu com a universidade.

Além deles, Martin conseguiu recrutar um dos melhores pivôs da classe em Jeremiah Tilmon e também trouxe Blake Harris, dois recrutas que estavam comprometidos com outras universidades e que optaram por escolher a universidade do Missouri. Graças a esse recrutamento incrível, Missouri já aparece como uma das equipes a serem batidas na SEC, mas ainda há duvidas sobre a força do elenco de apoio e até aonde Porter Jr pode levar esta equipe.

Michael Porter Jr é um dos candidatos a ser o primeiro escolhido no Draft de 2018

22- Saint Mary’s Gaels

Jock Landale (16,9 ppg) foi a estrela de um dos melhores times Mid-Majors da nação, e o melhor de tudo é que ele está de volta pra mais uma temporada, tornando os Gaels um desafiante fortíssimo para bater Gonzaga na Conferência West Coast. Cinco dos sete principais atletas de Saint Mary retornam para a próxima temporada, incluindo o armador Emmet Naar, que teve médias de 14 pontos e 6.4 assists por jogo como estudante de segundo ano, mas regrediu na temporada passada em todas as estatísticas. Apesar disso, as expectativas são de que ele deverá melhorar e ser importantíssimo para esse time.

Saint Mary’s ainda não é uma equipe com um recrutamento bem solidificado com os melhores mas, consegue trazer bons jogadores via transferências. Foi o caso de Cullen Neal (9,4 ppg) que jogou na temporada passada para Ole Miss e que deverá ter impacto imediato na equipe.

21- Northwestern Wildcats

Chris Collins liderou Northwestern para sua primeira aparição na historia da escola no torneio da NCAA. Depois de conseguir essa façanha na temporada passada, os Wildcats tentarão agora se tornar uma equipe relevante na Big Ten e quem sabe manter a equipe disputando o torneio da NCAA frequentemente. Vale lembrar que eles derrotaram Vanderbilt na primeira rodada do torneio da NCAA e deram a Gonzaga uma demonstração de força na segunda rodada durante uma derrota bem controversa.

O que não será renovado é o elenco que fez história no ano passado. Sim, os Wildcats perdem um veterano chave em Sanjay Lumpkin além de seu reserva imediato Nathan Taphorn, mas Bryant McIntosh (14,8 ppg), Scottie Lindsey (14,1 ppg) e Vic Law (12,3 ppg) estarão de volta, fazendo dos Wildcats uma equipe temida e respeitada na forte Big Ten.

20- Butler Bulldogs

Chris Holtmann, técnico de Butler, liderou a universidade para o Sweet 16 na temporada passada com um grupo de jogadores bem experientes, que fizeram um bom papel na Big East e ainda ajudaram os Bulldogs a ganharem um par de jogos no torneio da NCAA. Quatro membros importantes da rotação se foram, deixando Butler com algumas perguntas para a temporada de 2017-18.

Kelan Martin (16.0 ppg) foi o melhor atleta de Butler na temporada passada, e é cotado como um dos candidatos a jogador do ano na Big East. Kamar Baldwin (10,1 ppg) foi um dos melhores calouros da conferencia, e as expectativas para esta temporada são grandes sobre o jovem armador. Vale destacar o bom recrutamento de Butler ficando no top-30 da nação e recrutando bons jogadores como Kyle Young, ala de 2,01 m que foi um dos melhores jogadores do estado de Ohio.

19- Gonzaga Bulldogs

O técnico Mark Few perdeu o freshman Zach Collins depois de uma temporada fantástica. Perdeu também o seu melhor jogador da última temporada, Nigel Williams-Goss, que inclusive contratou um agente e estará no Draft da NBA em Junho. Perdeu o seu melhor pivô que se graduou, Przemek Karnowski. Mesmo com todas essas perdas, o time ainda vai continuar brigando pelo topo da West Conference e por uma vaga no March Madness, mas como? Few tem tido sucesso nos últimos 20 anos, sempre montando equipes preparadas e fortes, nesta temporada não será diferente e formará um backcourt poderoso com Josh Perkins e Silas Melson.

Não podemos esperar uma temporada milagrosa como ocorreu na última, os Bulldogs perderam apenas um jogo na temporada regular e a grande final do torneio para North Carolina. Um jogador que pode ser a maior surpresa do college é o japonês, Rui Hachimura, que pode se tornar peça fundamental na campanha da equipe de Spokane.

18- Cincinnati Bearcats

A identidade de Cincinnati como uma das principais equipes defensivas da American conference não mudou, mas em 2017-18, Cronin deverá ter uma equipe mais equilibrada. Kyle Washington (12,9 ppg) retorna a equipe para liderar Cincinnati em uma batalha com Wichita State pelo campeonato da conferencia e terá ainda a ajuda de Jacob Evans e Gary Clark. Destaque também para Jarron Cumberland que terá um papel mais significativo agora que Troy Caupain e Kevin Johnson se formaram.

Este grupo também terá, Cane Broome, um armador que veio de transferência em 2016 e não jogou na temporada passada, após ter uma média de 23,1 pontos em 2015-16 na universidade de Sacred Heart. Outro ano forte para a Cincy? Sim, tudo indica que sim.

17- Notre Dame Fighting Irish

O técnico Mike Brey conseguiu tornar o programa vitorioso e com uma consistência impressionante. Nomes importantes do time na temporada passada como V.J. Beachem e Steve Vasturia não estarão mais no elenco e é claro que os Fighting Irish irão sentir essas perdas, por outro lado Matt Farrell e Bonzie Colson deverão formar uma das melhores duplas inside-outside do College Basketball.

Colson que obteve média de double-double na temporada passada com 17 pontos e 10 rebotes, entra na temporada cotado a ganhar o prêmio de melhor jogador na conferencia ACC. Uma grande adição de Brey para a sua equipe foi o ala, D.J. Harvey Jr, um dos melhores alas vindos do High School. Com toda certeza, Notre Dame já entra com seu nome no topo da ACC e brigará pelo título da conferência.

16- Minnesota Golden Gophers

Apesar da derrota traumática de Minnesota no primeiro round do torneio da NCAA para Middle Tennessee State por 81-72, o que eles fizeram na temporada passada foi incrível. O retorno de todos os principais jogadores da ultima temporada, torna esse time um dos candidatos a vencer a conferencia Big Ten. Isso inclui o cestinha do time Nate Mason (15,2 ppg) que também foi o líder da conferencia em assistências por jogo (5,0 apg) além de Jordan Murphy um reboteiro importantíssimo e Reggie Lynch um dos maiores bloqueadores da nação (3,5 bpg).

Depois de Mason, a estrela do time deverá ser Amir Coffey, que teve uma temporada excepcional como um calouro com 12 ppg e deverá ser ainda mais importante nesta temporada. Vale ficar de olho também na dupla de calouros que Minnesota está trazendo para a próxima temporada. Isaiah Washington é considerado um dos melhores armadores da costa leste, com um controle de bola incrível alem de ser muito habilidoso e ter um arremesso em plena evolução. Jamir Harris também merece destaque por ser considerado um dos melhores arremessadores da classe de 2017 na costa leste dos EUA no High School.

Amir Coffey, foi um dos melhores calouros da Big Ten na ultima temporada

15- UCLA Bruins

As saídas de Lonzo Ball, TJ Leaf e Ike Anigbogu para a NBA, além de Bryce Alford e Isaac Hamilton que se formaram, poderia ser um desastre para UCLA que fez uma temporada incrível em 2016-17. Mas o treinador Steve Alford conseguiu um recrutamento excepcional colocando UCLA no Top 15 do nosso ranking. Aaron Holiday deve ajudar esse time com sua experiência e capacidade de armar o jogo e pontuar com grande qualidade além de Thomas Welsh que é um dos melhores pivôs da classe senior na costa oeste. Juntos, deverão ser os pilares desta “nova” UCLA.

Entre os calouros, as atenções estarão todas em Jaylen Hands e Kris Wilkes, dois calouros recrutados como 5 estrelas, que devem ser titulares imediatamente nesta equipe e que provavelmente terão grande impacto tanto no ataque como na defesa. Outro que estará nesta equipe e que será observado de perto é LiAngelo Ball, irmão de Lonzo, que não deverá ser titular da equipe mas que deverá ganhar tempo de quadra como reserva de Wilkes.

Hands (esquerda) e Wilkes (direita) calouros de UCLA, ambos foram escolhidos como All-American no High School

14- Alabama Crimson Tide

A tradicional universidade de Alabama é mais conhecida por causa de seu time no futebol americano, mas nesta temporada a expectativa sobre o time de basquete será tão grande quanto no football. E isso se deve ao excelente recrutamento feito por Avery Johnson, que conseguiu trazer o segundo melhor armador da classe de 2017 (Collin Sexton) para Tuscaloosa além de conseguir recrutar o melhor jogador do estado de Alabama (John Petty). Além destes dois atletas, Alabama está ainda trazendo mais 3 calouros que deverão ser importantes nesta temporada e nas próximas.

Sexton e Petty deverão se unir a uma equipe muito bem treinada por Johnson que tem vários jogadores experientes como Riley Norris e Donta Hall além de Braxton Key, um segundo anista que promete muito para esta temporada. Também temos de destacar duas excelentes transferências que deverão contribuir bastante ao longo da temporada em Daniel Giddens (Ex-Ohio State) e Tevin Mack (ex-Texas).

13- Villanova Wildcats

Campeão ha dois anos atrás, Villanova começou a temporada passada como um Top 5 em todos os principais rankings, mas desta vez sua queda é inevitável. Apesar de seu estilo de jogo fazer com que o time seja sempre favorito independente de jogadores, as saídas de Josh Hart e Kris Jenkins são um forte abalo na força do time. A volta de Jalen Brunson e Mikal Bridges fazem com que esse time ainda seja muito respeitado e provavelmente, ainda, o mais forte na Big East.

Um nome nesse time que deve ganhar espaço nesta temporada é Donte DiVincenzo, calouro na ultima temporada e que se destacou muito nos últimos jogos da universidade na temporada, é bem provável que DiVincenzo seja um dos pilares do time a partir de agora sem Josh Hart. O recrutamento de Villanova costuma ser bem tímido, mas desta vez vale a pena citar a adição de Jermaine Samuels, um ala longuilineo e com uma capacidade impressionante de marcar pontos além do pivô Omari Spellman, um recruta 5 estrelas da classe de 2016, que foi redshirt na ultima temporada e que também merece nossa atenção.

Com a saída de Josh Hart, DiVincenzo será fundamental para Villanova nesta temporada

12- Miami Hurricanes

Muitos pensaram que a saída de Davon Reed fosse fazer de Miami um time mais fraco, mas a volta de Bruce Brown, calouro destaque do time na temporada passada e Ja’Quan Newton que agora será um senior, colocam Miami em outro patamar dentro da conferencia ACC. Mas o que realmente nos fez com que colocássemos Miami em 12º no nosso ranking foi o forte recrutamento de Jim Larranaga.

O bom treinador de Miami conseguiu fazer um recrutamento extraordinário, colocando a universidade entre os 10 melhores recrutamentos da nação. O destaque fica por conta de Lonnie Walker recruta 5 estrelas que atua como ala armador e tem um excelente potencial físico além de ser um ótimo finalizador de jogadas. A curiosidade no recrutamento de Miami é a aquisição de Chris Lykes, um armador de  1,70 m que apesar de muito baixo, é extremamente habilidoso, rápido e muito bom nos arremessos de média e longa distancia. 

11- Xavier Musketeers

A saída confirmada de Edmond Sumner para a NBA, tira de Xavier talento ofensivo e experiência no perímetro. Mas se engana quem pensa que o time perde toda a sua força, e a prova disso está na presença confirmada de J.P Macura e de Trevon Bluiett, que retornam para Xavier e deverão ser dois dos melhores jogadores da Big East. Bluiett inclusive foi o cestinha da equipe com 18 pontos por jogo na última temporada.

Além disso temos que levar em conta o ótimo recrutamento feito por Xavier, trazendo um dos melhores armadores da classe de 2017 em Paul Scruggs, que é por vezes chamado de o novo Kris Dunn. Xavier também conseguiu trazer um ala chamado Naji Marshall que tem um QI alto de basquete e que é um ótimo defensor. Uma boa curiosidade nesta equipe na próxima temporada será a presença do pivô Kerem Kanter, irmão mais novo de Enes Kanter do Oklahoma City Thunder que está vindo via transferência de Green Bay University.

10- USC Trojans

O torneio da NCAA evidenciou o que nós aqui do Live College passamos a temporada toda dizendo: USC vem forte para as próximas temporadas. O time que conseguiu chegar ao segundo round no torneio da NCAA, era um time bastante jovem e nesta off season não perdeu praticamente ninguém por ter se graduado ou para a NBA. Bennie Boatwright, Chimezie Metu, Jordan McLaughlin e Elijah Stewart tinham juntos 53 pontos por partida e a tendencia é que evoluam ainda mais nesta temporada.

Somado a isso, USC terá nesta temporada um atleta fantástico que se transferiu de Duke à dois anos, Derryck Thornton. Thornton era um recruta 5 estrelas em 2015, e não conseguiu se firmar em Duke. Apesar disso, seu talento em distribuir o jogo e pontuar é inegável e provavelmente terá um impacto imediato na PAC-12. Vale destacar também a aquisição de um novo calouro que tem raízes na rival UCLA, Charles O’Bannon Jr, um ala que tem como característica principal ser um scorer por natureza.

9- Florida Gators

Mike White teve uma das melhores equipas do país na temporada passada, e os principais jogadores estão retornando a universidade. KeVaughn Allen, que foi o astro desse time na temporada passada, juntamente com Chris Chiozza, deverão formar um dos melhores backourts da NCAA. Sem Kasey Hill que se formou, Chiozza será o armador titular e com o bônus de ser um arremessador ainda melhor que Hill. No garrafão, a volta do pivô Egbunu (retirou seu nome do Draft da NBA) fará com que o time se converta num dos favoritos da SEC. Além destes fatores, a chegada do ala Egor Koulechov de Rice via transferência dará aos Gators um scorer do perímetro confiável além de experiencia para a posição.

O bom recrutamento da Flórida também merece nossa atenção. O pivô Isaiah Stokes e o ala DeAundre Ballard foram recrutas disputados com universidades tradicionais e que devem elevar o nível da equipe de maneira imediata. Stokes apesar de jogar como pivô, é um excelente arremessador de média distancia e merece muita atenção por sua versatilidade. Já Ballard é um ala com um excelente arremesso de média e longa distancia além de ser bem versátil na defesa.

8- North Carolina Tar Hells

A atual campeã nacional, North Carolina, perdeu a base do seu time campeão. Justin Jackson, peça chave da conquista, foi para o Draft da NBA, assim como Kennedy Meeks e Isaiah Hicks, garrafão titular, que se formaram. Além deles, Nate Britt também se formou e Tony Bradley surpreendeu a todos confirmando sua inscrição no recrutamento da NBA. Com isso, a pressão cai sobre os ombros de Joel Berry II, armador titular da equipe e que será ainda mais importante para UNC. Theo Pinson e Kenny Williams retornam, assim como o herói do jogo contra Kentucky, Luke Maye.

A esperança de Roy Williams é que os calouros da temporada passada evoluam e Seventh Woods é o principal nome deles. O recrutamento foi positivo e Jalek Felton, sobrinho de Raymond Felton, acertou com os Tar Heels. Um dos dois jogadores de garrafão recrutados, Garrison Brooks ou Brandon Huffman, deverá ser titular ao lado de Maye. Repetir o sucesso da temporada passada não será fácil.

7- Wichita State Shockers

É sempre incrível falar de Wichita State. Os Shockers abalam o país há mais de cinco anos, com campanhas fantásticas para uma equipe que, até a última temporada, era de uma conferência mid-major. Era. A partir de 2017-18, Wichita State fará parte da American e terá compromissos importantes contra Cincinnati, UConn, SMU e Houston.

Dos 19 jogadores com pelo menos dois minutos de média em quadra, somente DOIS não farão parte do elenco em 2017-18. Esse dado é absurdo e mostra que mesmo sem reforço Wichita State voltará, no mínimo, mais experiente. Para falar a verdade, há um reforço: Samajae Haynes-Jones. O armador foi um dos melhores jogadores no Junior College temporada passada e vem para brigar por tempo de quadra numa rotação que gira sempre em dez, doze jogadores. Gregg Marshall sabe que agora a responsabilidade é maior e confia no talento do ala Markis McDuffie, do ala-armador Landry Shamet e na força do garrafão com Darral Willis Jr. e Shaquille Morris.

Landry Shamet é uma das estrelas da equipe de Wichita State

6- Duke Blue Devils

Dos oito jogadores com no mínimo dez minutos de média no elenco dos Blue Devils, somente um permanecerá para a temporada 2017-18. Grayson Allen, que decepcionou na temporada passada, após se envolver em mais polêmicas dentro de quadra, deverá ser o sênior que carregará Duke para algum momento importante na temporada. Isso a torcida espera e os calouros terão de fazer seus papéis. Três jogadores cinco estrelas chegaram: Wendell Carter, Gary Trent Jr e Trevon Duval, considerado o melhor armador da classe de 2017. Os três deverão ser titulares junto com Allen e Marques Bolden, pivô que foi pouco usado na temporada passada.

Não há porque esquecer de Javin DeLaurier, calouro menos badalado da temporada passada, mas que tem no atleticismo sua principal virtude. Como sophomore, deverá receber mais chances de Coach K. Confiar nos calouros e perder toda a base do time anterior não é o modelo preferido de Mike Krzyzewski, mas certamente ele tentará reerguer os Blue Devils desse jeito.

Comparado a Kyrie Irving e Russel Westbrook, Trevon Duval é um astro em potencial para a próxima temporada no College Basketball

5- Louisville Cardinals

Perder seu principal jogador nunca é fácil e só por isso que os Cardinals não são a melhor a equipe do College para a próxima temporada. Donovan Mitchell manteve seu nome no Draft da NBA e deverá ser uma escolha de primeira rodada. Ruim para Louisville, mas por outro lado Deng Adel retorna. O ala super atlético de origem africana deverá ser a referência da equipe.

O garrafão titular também se desfez. Mangok Mathiang se formou e Jaylen Johnson decidiu virar profissional. O reserva Anas Mahmoud deve assumir um dos postos. O recrutamento do High School foi interessante. E é bom ficar de olho em Malik Williams, ala-pivô cinco estrelas e que deve fazer parte da rotação do garrafão dos Cardinals. Não bastasse isso, Rick Pitino contará com a provável temporada de breakout de V.J King, ala badalado desde os tempos de Ensino Médio, e seu armador principal, Quentin Snider.

VJ King deverá ser uma estrela em Louisville nas próximas temporadas.

4- Kansas Jayhawks

Kansas virou o porto seguro de jogadores transferidos. Mesmo com um recrutamento não tão forte como nos anos anteriores, Bill Self está montando mais um elenco poderoso. Após a saída do melhor jogador da temporada, Frank Mason, o técnico dos Jayhawks conseguiu bons jogadores em transferência – Malik Newman, ex-Mississippi State, Jake Whitman, ex-William & Mary e Sam Cunliff, ex-Arizona State (estreia somente no meio da temporada). Além deles, Billy Preston, ala pivô da classe de 2017, deve ter minutos de quadra imediatamente.

As saídas de Mason e Josh Jackson, provável Top 3 do próximo Draft, afetarão os Jayhawks, mas fica de alento as permanências de Devonte Graham, Sviatoslav Mykhailiuk, LaGerald Vick e Udoka Azubuike, que deverão ser titulares na campanha de 2017-18. Embora o caminho seja interessante já temporada que segue, em 2018-19 contará com mais jogadores transferidos, entre eles os irmãos Dedric Lawson e K.J Lawson, destaques em Memphis.

3- Kentucky Wildcats

One-and-done. Esse termo já é recorrente no vocabulário de torcedores dos Wildcats. Após perder quase todo seu time para o Draft da NBA (DeAaron Fox, Malik Monk e Bam Adebayo entre eles), Kentucky renovará todo seu time com o melhor recrutamento entre todas as universidades em 2017. No total, são sete calouros, sendo cinco considerados “5 estrelas” (Kevin Knox, Nick Richards, P.J Washington, Jarred Vanderbilt e Quade Green), além é claro de Hamidou Diallo que já treina na universidade desde janeiro e foi redshirt na ultima temporada mas que inicialmente pertencia a esta classe de 2017. Diallo inclusive, deverá ser o principal jogador da equipe.

Da equipe na temporada passada, retornam Wenyen Gabriel, Sacha Killeya-Jones e, claro, o filho do homem, Brad Calipari. Será que na próxima temporada, Kentucky conseguirá uma super campanha, como teve anos atrás e levantará a taça? Elenco e qualidade tem, mas minha dúvida fica na inexperiência e falta de chutadores do perímetro.

Veja a felicidade do treinador John Calipari no Twitter ao receber a noticia de que Hamidou Diallo retornaria para Kentucky por mais um ano.

2- Arizona Wildcats

O nome da vez para a equipe de Sean Miller é DeAndre Ayton. Segundo melhor jogador na classe de 2017 do High School pela ESPN, o pivô deverá fazer uma das melhores duplas de garrafão do College junto com o sérvio Dusan Ristic. Isso diminui em partes os efeitos da ida de Lauri Markkanen pro Draft. O ala-pivô finlandês bateu recordes em sua única temporada na NCAA. Stretch-four, teve uma das melhores marcas em chutes de fora na história do esporte universitário. Junto com ele, Kadeem Allen se formou e Kobi Simmons foi precocemente para o recrutamento profissional.

No entanto, não só de partidas vive os Wildcats. Jogador mais importante da equipe, Allonzo Trier não foi para o Draft e retorna para sua temporada de junior, assim como Rawle Alkins, melhor marcador do perímetro da equipe. A notícia de última hora é a adição do ala Emmanuel Akot, recruta cinco estrelas da classe de 2018, que decidiu ir pro College já na próxima temporada. Espere Sean Miller tentar seu primeiro Final Four da carreira.

1- Michigan State Spartans

Miles Bridges. Só por esse jogador, os Spartans já devem ser considerados um dos melhores times da próxima temporada. O ala atlético decidiu não ir pro Draft e retornar para sua segunda temporada no College. Junto com ele, vários jogadores retornam mais experientes – Cassius Winston, um dos melhores armadores da Big Ten, Josh Langford, um ala-armador de bom porte físico e razoável chute de fora e Nick Ward, o modelo mais próximo de Zach Randolph no College. Aliado a esses sophomores, está o calouro, Jaren Jackson, um dos melhores ala-pivô da classe de 2017 no High School.

Tom Izzo tem em mãos um dos melhores times que já teve em East Lansing e deve tirar proveito disso. Mesmo com Eron Harris se formando, Michigan State deve contar com os retornos de Gavin Schiling e Ben Carter, que se lesionaram e perderam toda a temporada passada.

Miles Bridges é forte candidato ao prêmio de melhor jogador no College Basketball na próxima temporada

6 comentários sobre “O Top 25 Mais Precoce do College Basketball”

  1. Pingback: Melhor jogador da classe de 2018 pode reclassificar para 2017 – Live College Brasil

  2. Pingback: Fique De Olho #03 – Landry Shamet – Live College Brasil

  3. Pingback: Calouros Subestimados #03 – Isaiah Washington – Live College Brasil

  4. Pingback: Calouros Subestimados #06 – John Petty – Live College Brasil

  5. Pingback: Fique De Olho #11 – Nick Ward – Live College Brasil

  6. Pingback: Eric Curry, ala pivô de Minnesota, está fora da temporada – Live College Brasil

Deixe uma resposta